• Lattualita

    GERAL

    Abastecimento de água em São Marcos: ex-secretário alerta para nível baixo da represa de São Luiz

    Conforme ex-secretário municipal de Obras, Juca Camargo, nível da barragem municipal estaria se aproximando de quase 3 metros abaixo do nível normal

    2 anos atrás

Secretário municipal de Obras de São Marcos durante dois mandatos do PP, nos governos dos ex-prefeitos Adair Casarotto e Demétrio Lazzaretti (de 1997 a 2000 e de 2005 a 2008), Juca Camargo não perdeu o hábito de focar nos problemas rotineiros de infraestrutura da cidade, e um deles é do abastecimento de água, que sempre era motivo de preocupação no final de ano, nos meses de dezembro e janeiro, enquanto ele atuava como secretário. “Em 2005 já estávamos organizando como faríamos o transporte da água com caminhão pois íamos ficar sem água e por sorte começou a chover e não foi preciso”, lembra ele.

Foi o que fez novamente nessa virada de ano, Juca foi conferir a altura do volume de água da represa municipal, localizada em São Luiz e o que viu o deixou preocupado. As fotos que enviou ao L’Attualità foram tiradas neste dia 31 de dezembro, e, conforme Juca, indicam que o nível se aproxima de quase 3 metros abaixo do normal. “Me apavorei, sinceramente me assustei. Porque do nível que ela era antes do alteamento, que deu 1,20, daquele nível antigo onde a represa transbordava ela está quase dois metros abaixo, e eu, que conheço bem o histórico dessa represa, porque em 2005 eu acompanhei de perto, nós fomos salvos na última instância, quando começou a chover. E o mais preocupante é que o cano que traz água do Ranchinho no momento em que eu estive lá estava desligado, porque lá é outra bacia de captação mas pequena, então quando está cheia as bombas se ligam automaticamente e quanto está seca as bombas se desligam, e se o Ranchinho já está ficando sem água é preocupante”, relatou Juca Camargo à reportagem do L’Attualità.

Em 2014, na última gestão do governo do prefeito Demétrio Lazzaretti, a Corsan realizou o alteamento da represa de São Luiz e construção de nova rede até a estação de tratamento de água, no centro da cidade, garantindo, conforme informou a companhia na época, o abastecimento de água da cidade de São Marcos dentro dos próximos 25 anos. No total as obras concluídas em dezembro de 2014 somaram R$ 1,5 milhão. Com o alteamento do muro de contenção da represa em 1,22 metro, o aumento do volume de água captado foi estimado na época em 52%, passando de 164.740 metros cúbicos para 250.187 metros cúbicos de água. O objetivo era que, com o alteamento, o recorrente problema de racionamento e ameaça de desabastecimento de água em São Marcos estivesse resolvido para as próximas duas décadas. “Nunca acreditei que o alteamento fosse de fato resolver, porque a bacia de captação da represa de São Luiz é praticamente inexistente, podemos contar apenas com a água da chuva e com o recalque de água que vem do Rio Ranchinho, que durante períodos maiores de estiagem acaba deixando de enviar água. Na minha visão o município deveria desapropriar uma área onde a captação da água das chuvas fosse maior e temos áreas assim em São Marcos, na região dos campos”, argumenta Juca Camargo.

Supervisor da rede da Corsan: ‘acredito que sexta-feira (4) vai começar a normalizar’

Para comentar sobre a atual capacidade de abastecimento de água da barragem municipal o L’Attualità entrou em contato com o supervisor da rede da Corsan em São Marcos, Márcio Rebeschini, que confirmou os baixos volumes neste início de janeiro. “O volume está abaixo porque faz um mês e meio que roubaram os cabos do Ranchinho novamente, a fiação e placa eletrônica do equipamento das bombas, então não está vindo água lá do Ranchinho para a barragem. E por azar deu um temporal e derrubou um eucalipto em cima da fiação, que seria parte da RGE. Foi contratado uma empresa, eles vieram na semana passada,  e refizeram toda a parte para a RGE fazer a ligação de luz, na sexta-feira (28)”, detalha Márcio. Conforme revela, será instalado um novo quadro de comando elétrico no Ranchinho nesta quinta-feira (3). “A Corsan conseguiu outro quadro de comando da parte elétrica lá em Porto Alegre e nós vamos retirar aquele quadro que está lá, todo danificado. e colocar outro novo. A princípio ficou tudo certo para amanhã. Eu acho que provavelmente na sexta-feira 4 já vai estar funcionando o recalque do registro e vindo água lá do Ranchinho para a barragem. Então a partir daí vai começar a recuperar o nível da água”, antecipa Márcio.

Ele confirma que o nível de água na represa está 2 metros abaixo do normal e destaca que, apesar da pouca incidência de chuva no último mês, São Marcos não corre risco de racionamento de água. “As pancadas de chuva dos últimos dias não interferem na barragem, só amenizam o consumo. Ela está 2 metros abaixo do nível onde ela transbordaria. Sábado passado (29) foi aberto o Ranchinho para fazer uma limpeza, é um lugar que acumula bastante galhos. Foi aberto para secar e  a máquina conseguir entrar dentro e jogar para baixo aquele material orgânico, que são folhas e galhos. Então acredito que sexta-feira (4) vai começar a normalizar e a represa voltará a receber água do Ranchinho”, pontua Márcio Rebeschini.